terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Na hora da morte | Death time

Seria interessante, se possivel, na hora da morte despedir-nos dos demais em forma de desabafo...


Não falo do desabafo tipo "me desculpe", "me perdoe"...
Estou falando de desabafos de homem de verdade!
Então, se você sempre quis comer sua cunhada, sua vizinha ou sua sogra não se reprima, desabafe!
Faça-a saber o quanto ela é gostosa e sempre excitou seus pensamento, e que à ela você dedicou várias punhetas!


Se você sempre quis matar alguem, desabafe agora! Essa é sua grande chance de mostrar (se não puder matar) o quanto você detesta o primo da sua mulher ou o namorado da sua filha ou o filha da puta do padeiro, o leiteiro, o diabos que seja!


Mas nada de hipocrisia!

Essa coisa de sair pedindo desculpas e perdão a Raimundo e todo mundo, Vicente e toda gente, bla-bla-blah!
Firula pura!
Frescura mesmo!


Quem diabos passa a vida toda querendo pedir perdão e desculpas, e pior, perdoar o cachorro e o gato?! Ninguém!
Ninguem faz isso meu amigo!

Então porque fazê-lo por estar à beira da morte?
Isso é falso, hipócrita, insano!


Desabafe por nao ter podido matar quem sempre quis!
Desabafe por não ter podido comer (quem sabe até mais vezes) aquela que sempre punhetou! Ninguem poderá te matar duas vezes mesmo!
Esqueça as lamúrias da casa ou carro que não comprou, das férias que não tirou, não se leva nada mesmo, nem lembranças do que ficou!


Ha que se dar um basta ao famigerado "Fulano era tão bom"- depois de morto!
Vamos virar a mesa e deixar que os famintos colham o que puder!

Sejamos sinceros ao menos na hora da morte!


Entretanto, se voce ainda insistir em se desculpar por algo do qual se arrepende de ter feito, lembre-se que também somos culpados pelo que não fizemos quando podiamos tê-lo feito.

Um comentário:

Pode falar que eu estou vendo!