segunda-feira, 4 de julho de 2011

As coisas como são

Os pais não são os donos dos seus filhos, mas enganam-se a si mesmo agindo como se o fossem.

Os pais tem muitos planos para seus filhos, mas a vida tem seus proprios planos para estes, envoltos em uma nuvem de incertezas do amanhã e destinos imprevisíveis.


Assim, uma mãe não ama seu filho pelo que ele é:
um projeto da Vida que não se cansa de copiar a si mesma,
uma projeção de algo que não conseguimos entender,
com suas proprias razões de ser,
razões pelas quais nos faz sentir tão diminutos,
insignificantes diante dos fatos.

Um homem não ama uma mulher pelo que ela é:
hoje nova e sexual,
amanhã velha,
aposentada,
decrepta e fria;
mortal, falha, temporal.

Não é quando deixamos de amar que a gente vê as coisas de um jeito diferente.
É quando amamos que vemos diferentemente de um modo que somente a pessoa que está amando vê;
não vemos as coisas como são de fato, mas sim como gostariamos que fossem.

O homem não ama a si pelo que ele mesmo é em sua natureza:
fadado,
passageiro,
totalmente dependente do seu meio,
conectado,
nem mestre nem escravo
apenas atrelado,
um elo
uma ponte
entre a pedra e as estrelas!